64 anos de Meryl Streep

Nesse 22 de junho, nossa (pelo menos minha) amada Meryl Streep completa 64 anos (!!!!). Envelhecendo com dignidade, sem fazer mil plásticas e ficar esticada, Meryl ainda está lindíssica, como eu seu primeiro papel no cinema, quando tinha apenas 28 anos.

Streep nasceu em Summit, New Jersey, como o nome de Mary Louise Streep; mas foi criada em BernardVille, no mesmo estado. Filha de uma artista comercial e um executivo da industria farmacêutica, Meryl recebeu seu Bacharelado de Artes em Teatro na Vassar College em 1971. Estudou, ainda, música, ópera e arte dramática na Universidade de Yale. Após trabalhar para o Theatre Repertory Company, de Phoenix, obteve reconhecimento ao ser nomeada para o Tony Award, e por vencer o Outer Critics Circle Award.

Aí, então, aconteceu sua estréia no cinema, em 1977, no filme Júlia de Fred Zinnemann. E logo em seguida, em 1978, na televisão na série Holocausto, pela qual recebeu o Emmy de melhor atriz.

É casada, desde seus 29 anos, com o escultor Don Gummer, com quem tem quatro filhos.

Streep é recordista de nomeação ao Oscar entre homens e mulheres; recebeu quatorze indicações ao de melhor atriz e três ao de melhor atriz coadjuvante; sendo os seguintes, os vencidos: Oscar de melhor atriz por “A Escolha de Sofia” e “A Dama de Ferro” e de melhor atriz coadjuvante por “Kramer vs. Kramer”.

Além dos Oscars, também ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz por “Julie e Julia” e “A Escolha de Sofia”; Globo de Ouro de melhor atriz em drama por “A Mulher do Tenete Francês”; e Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante por “Kramer vs. Kramer” e “Adaptação”. Não é a toa que é considerada por críticos uma das maiores personalidades vivas do cinema e recebeu uma estrela na Calçada da Fama, em Hollywood.

Italiano: Stella di Meryl Streep sulla Hollywo...

Hollywood

Curiosidades sobre a diva:

Antes de iniciar a carreira de atriz, Streep trabalhou como garçonete em New Jersey.

Para atuar em Música do Coração teve que aprender a tocar violino, tendo ensaiado 6 horas por dia durante 8 semanas.

Em 1989, dublou a personagem Jessica Lovejoy do episódio 67 do desenho animado Os Simpsons.

Meryl é feminista, pacifista nata e uma das principais militantes contra o aquecimento global.

Em 2009, foi eleita a 48ª mulher mais poderosa do mundo do entretenimento segundo o Hollywood Reporter.

Streep tem medo de helicópteros.

Estudou na classe de Sigourney Weaver na faculdade.

Os 10 melhores filmes (na minha opinião):

10- As Pontes de Madison (1995)

9- A Escolha de Sofia (1982)

8- Ela é o Diabo (1989)

7- As Filhas de Marvin (1996)

6- Música do Coração (1999)

5- Sob o Domínio do Mal (2004)

4- A Morte Lhe Cai Bem (1992)

3- A Casa dos Espíritos (1993

2- Simplesmente Complicado (2009)

1- O Diabo Veste Prada (2006) {Não conheço ninguém nesse mundo que não gosto desse

filme e não ame a Meryl como Miranda Priestly}

Pro dia dos namorados

Mais um dia dos namorados chegou e mais um ano, o quarto, que passo solteira. Solteira sim, sozinha nunca.

Lado bom? Não preciso gastar com presente…. Só! Hahaha… Brincadeira. Namorar é muito bom (sou do tipo pra casar), mas estar solteira não é o fim do mundo.

Mas pra quem sofre daquele do “Mal do dia dos namorados”, taí uma listinha dos filmes que você não pode nem ouvir o nome!

Corram para as colinas!!

Os 10 filmes que você não deve assistir no Dia dos Namorados (se estiver na fossa)

10- O Segredo de Brokeback Mountain: Fala sério, ver dois cowboys que se amam verdadeiramente terem que negar e esconder seus sentimentos, levando a um trágico fim, é pra ficar triste mais do que deve. Se você for gay, mantenha distância dobrada.

9- Doce Novembro: Romance com prazo de validade já imposto nunca, jamais, never dá certo. Alguém sempre vai sair machucado. Não se machuque assistindo.

8- A Casa do Lago: Namorar por carta é coisa de um passado remoto, né?! Agora, cultivar um relacionamento assim por 2 anos, pra depois não sofrer um mundo pra encontrar a pessoa? Bom, melhor que stalkear o facebook do ex, né amiga.

7- P.S. Eu Te Amo: Ela fica viúva muito antes da hora, já é de se esperar que entre em depressão; porém, quando tenta voltar a rotina, descobre que seu amado falecido marido deixou várias cartas escritas à ela. Romantismo demais pra ser assistido sozinha.

6- Ele Não Está Tão Afim de Você: Você sempre tenta ler nas entrelinhas qualquer e toda atitude que aquele cara faz, não é? Sempre achando que ele está enviando sinais. Bobeira, menina! Esse filme mostra bem como os homens pensam; se ele está afim, vai vir atrás de você! É bom pra dar um tapinha na cara, mas pode te deixar deprimida.

5- Cidade dos Anjos: Um anjo que se apaixona por uma humana e faz de tudo para poder estar ao seu lado e seu ex namorado nem a conta inteira queria pagar? Vida injusta.

4- (500) Dias com Ela: Ela fala que eles são apenas amigos, mas fazem todas as coisas como namorados. Ele se apaixona perdidamente e quer conquistá-la a todo custo. Ela é uma vaca. Ele é um príncipe. Te lembra alguma coisa? É, amiga, bem vida real!

3- Ressaca de Amor: A estrela de série de TV dá um fora no coitado. Ele vai sofrido tentar esquecê-la no Hawai, mas pro seu azar, ela também está lá, com outro!! É uma comédia, bem engraçadinha, um dos meus filmes preferidos, mas pra um dia de fossa, o cômico pode se transformar em trágico.

2- Um Dia: Eles se conhecem na faculdade e, durante vinte anos, se encontram uma vez por ano. Muitas coisas acontecem e ela, secretamente, se apaixona por ele. Um dia descobrem que foram feitos um para o outro. Aí que mora o perigo. Você vai ficar pensando “Isso só não acontece comigo”!

Imagem1- Loucamente Apaixonados: Como eu já vivi uma leve paixão a distância, esse filme é o pior pra mim. Eles se conhecem na faculdade, ele americano, ela britânica. O pior acontece quando ela é banida dos EUA por não respeitar a data vencida de seu visto. Ambos tem que lutar para que um relacionamento a uma distância tão longa, não sucumbe.

Mas pior que assistir a esses filmes, é ficar se martirizando em casa por não ter um namorado. Vamos sair, beber, nos divertir, assistir um filme violento ou, simplesmente, viver o dia como mais um, pois na realidade, é o que ele é!