Curiosidades do filme “O Exorcista”

Bom, como o último post foi sobre um dos meus livros preferidos, “O Exorcista”, quis fazer um post também sobre o filme; mas não falando sobre o filme, pois muitos, até mesmo os que não curtem terror, sabem sobre o que se trata. Quis mesmo é falar algumas curiosidades sobre o filme, coisas que aconteceram nos bastidores e até umas lendas que correm sobre o filme.

Enfim, o filme é de 1973, do diretor William Friedkin, baseado no livro com mesmo nome de William Peter Blatty.

Vamos começar pelo mais leve (rs), os prêmios ganhos e/ou indicações:

Ganhou os Oscars de melhor roteiro e melhor som. Foi ainda indicado para mais oito categorias: melhor filme, melhor diretor, melhor atriz (Ellen Burstyn), melhor ator coadjuvante (Jason Miller), melhor atriz coadjuvante (Linda Blair), melhor edição, melhor fotografia e melhor direção de arte.

Ganhou quatro Globos de Ouro nas categorias de melhor filme (drama), melhor direção, melhor roteiro e melhor atriz coadjuvante (Linda Blair). Recebeu ainda outras três indicações: melhor atriz – drama (Ellen Burstyn), melhor ator coadjuvante (Max von Sydow) e melhor revelação feminina (Linda Blair).

Foi indicado ao BAFTA na categoria de melhor som.

Ganhou, também, o Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films, nas categorias de melhor filme de terror, melhor maquiagem, melhores efeitos especiais e melhor roteiro.

Curiosidades e fatos sobre o filme:

Foi o primeiro filme de terror indicado ao Oscar de melhor filme. O prêmio para um filme do gênero só veio em 1991, em “O Silêncio dos Inocentes”, com Jodie Foster e Anthony Hopkins.

O filme tornou-se um dos mais lucrativos filmes de terror de todos os tempos, arrecadando o equivalente a U$ 441.306.145,00 em todo o mundo.

Após a sessão, ninguém conseguia dormir, lembrando da voz gutural do pequeno demo gritando blasfêmias e outras cenas horrendas das gravações.

Durante a produção do filme, o set de filmagens pegou fogo durante um fim de semana, em que não havia ninguém trabalhando. Muitos equipamentos foram estragados. Não se chegou a qualquer explicação sobre o que gerou o fogo.

O processo de gravação até logo depois do lançamento do filme foi marcado por várias mortes de pessoas ligadas direta e indiretamente com as filmagens, caso do ator Jack Macgowran, que depois de gravar a cena em que morria arremessado da janela por Regan, contraiu uma forte pneumonia e acabou morrendo, de verdade, uma semana depois. Também morreram o irmão do ator Max Von Sydon, um vigia do estúdio e um assistente de produção.

Durante o filme é possível ver vultos, olhos debaixo da cama de Regan, silhuetas demoníacas e mensagens de socorro bem disfarçadas. Muitos gostam de assistir o filme várias vezes para encontrá-las.*

Para deixar as cenas com uma atmosfera aterrorizante, o diretor William Friedkin optou por construir os cenários dentro de uma enorme câmara refrigeradora. Não é à toa que quase todos os atores ficaram com pneumonia.

Oito horas é o que Linda Blair levava para ter seu rostinho bonito transformado no de um verdadeiro filhote do Belzebu. A maquiagem assustadora tinha até massa de pizza em sua composição.

Os gemidos aterrorizantes da garotinha possuída foram captados em uma fazenda. Eram porcos e vacas sendo levados para o abate.

Linda Blair nunca falou sequer um palavrão durante as filmagens de ‘O Exorcista’. Ela dizia outros textos bobinhos enquanto a dubladora Mercedes McCambridge era responsável pelos textos pesados. Aliás, Mercedes MacCambridge precisou fumar cerca de seis maços de cigarro por dia, além de entrar numa dieta só com ovos crus e maçãs defumadas para Imagemconseguir a tal voz assustadora do Diabo.

Pouca gente se lembra, mas em 1990 rolou uma sátira do filme, chamado “A Repossuída”; que conta a história de Nancy Aglet, interpretada por ninguém menos do que a própria “ex-possuída”, Linda Blair. O padre fica por conta do mestre Leslie Nielsen. O filme foi muito esperado pela crítica e pelos fãs da atriz, mas não decolou, o que não quer dizer que não seja uma comédia legal de assistir. Tem até ele completo no Youtube – 

O primeiro trailer de ‘O Exorcista’ foi considerado tão assustador que teve que ser retirado dos cinemas.

*Agora o jeito é assistir o filme pela milésima vez pra notar os vultos, olhos debaixo da cama e pedidos de socorro. Bora assistir?

Filme da semana – “O pecado mora ao lado”

Amo filmes e adoro livros; sempre estou comentando no facebook sobre filmes que vejo, então resolvi criar esse blog com o objetivo de compartilhar melhor sobre cada filme e livro. Vou tentar assistir um filme por semana e ler um livro por mês. O filme será bem mais fácil manter atualizado, mas o livro, como necessita de mais dedicação, não vou fazer muitas promessas (rs), afinal tenho uma bebê de 8 meses pra cuidar, a qual, aliás, conto sobre a vida e o cotidiano nesse blog aqui – Eu, minha bebê e… meus pais!

Enfim, vamos ao que interessa. O filme dessa semana é um clássico: O pecado mora ao lado. A comédia ingênua baseada na peça de George Axelrod, é sobre Richard Sherman (Tom Ewell), um editor de livros, que deve ficar longe de bebidas, cigarros e principalmente, mulheres, enquanto sua mulher e seu filho vão passar uns dias fora. Ficar sem bebidas e cigarros já estava difícil, pior ficou quando ele percebe uma inquilina temporária no apartamento de cima. Encantado e fascinado pela beleza e charme da garota (Marilyn Monroe), Richard a chama para tomar um drink; a partir de então tenta seduzi-la e conquistá-la a todo custo, ao mesmo tempo que sente-se culpado por estar agindo como um marido infiel.

Em uma rede social sobre filmes da qual participo ( filmow ), li muitas críticas negativas ao filme e principalmente à atuação de Marilyn, citando inclusive o fato, pouco conhecido, de que a sensual e eterna ídola, não passava de um rosto bonito. Ficou famosa pelo mito que se tornou, porém, como atriz, deixava muito a desejar; tanto que muitos diretores irritavam-se, pois, para uma cena considerada simples, tomadas e mais tomadas eram necessárias para que Marilyn acertasse.Mas, apesar de todas as críticas que li e da atuação da atriz ser realmente um tanto forçada e cheia de caras e bocas (quase uma Jim Carey), achei o filme bonitinho e gostoso de assistir. Nos dias de hoje, pode até assistir junto dos pequenos.

Apesar das críticas à atuação de Marilyn, a atriz foi indicada ao prêmio de melhor atriz estrangeira em 1956 pela BAFTA do Reino Unido. E Tom Ewell recebeu o Globo de Ouro de melhor ator de cinema no mesmo ano.

Amado ou odiado, ninguém pode negar que o filme se tornou marco do cinema, e a cena onde o vestido cor de marfim de Marilyn Monroe levanta sobre o respiradouro do metrô de tornou um ícone cinematográfico mundial!

Image

Ficha técnica: 

Título original: The seven year itch

Ano: 1955

País: Estados Unidos

Gênero: comédia

Duração: 105 min.

Direção: Billy Wilder

Roteiro: Billy Wilder, George Axelrod

Orçamento:  U$ 3,2 milhões

Prêmios recebidos:

Globo de Ouro de melhor ator em musical ou comédia para Tom Ewell

Títulos em outros países:

Sept ans de réflexion (França, Bélgica)
La tentación vive arriba (Espanha)
Quando la moglie è in vacanza (Itália)
La comezón del séptimo año (Argentina)

Curiosidades:

O título original do filme, “The Seven Year Itch”, é uma referência ao sétimo ano após o casamento, quando as relações passam por uma crise.

O famoso vestido branco que a atriz Marilyn Monroe usou na célebre cena do metrô foi arrematado em um leilão por 4,6 milhões de dólares. O vestido foi a principal peça do leilão de lembranças de Hollywood realizado pela Profiles in History, em Calabasas (Califórnia) em 2011.

O casamento de Marilyn e do astro de baseball Joe DiMaggio chegou ao fim durante as filmagens de O Pecado Mora ao Lado.