Filme – Pavor na Cidade dos Zumbis

Sou uma amante do terror e adoradora dos filmes trash. Um dos meus preferidos desse gênero é o “Pavor na Cidade dos Zumbis“.

Imagem

Com a morte do padre William Thomas, uma maldição que faz com que mortos levantem dos túmulos se inicia. Um jornalista se une a uma vidente para investigar o misterioso suicídio do padre e a relação da morte com o aparecimento dos zumbis, na cidade de Dunwith.

Imagem

Quem não gosta de trash, simplesmente fuja. Assisti o filme junte de um amigo que não sabe apreciar curte esse tipo de filme e ele achou podre e cheio de clichê; mas é exatamente o previsível, as cenas exageradas e impossíveis, e os closes típicos de um bom filme clichê que faz desse clássico de Lucio Fulci um ótimo trash.

Mesmo quem ache as cenas ridículas, não pode negar, em sã consciência, que as cenas asquerosas e sangrentas são muito bem feitas. Aquele tipo de filme que não vai muito bem com uma pipoquinha. A minha preferida, o vômito de órgão internos, me deu arrepios, extremamente bem feito; uma cena de uma beleza tão grande que só quem é fã consegue entender.

Imagem

Ficha técnica:

Diretor: Lucio Fulci

Título original: Paura Nella Citta’Dei Morti Viventi

Ano:1980

País: Itália

Duração: 89 minutos

Gênero: Terror/Trash

Roteiro: Lucio Fulci, H.P. Lovecraft, Dardano Sacchetti

Outros filmes de Lucio Fulci:

– Tempo de Massacre (1969)Imagem

– O Estranho Segredo do Bosque dos Sonhos (1972)

– Os Quatro do Apocalipse (1975)

– Sela de Prata (1978)

– Zumbi 2 – A Volta dos Mortos (1979)

– A Casa dos Mortos Vivos (1981)

– O Gato Negro (1981)

– Terror nas Trevas (1981)

– O Esquartejador de Nova York (1982)

– Demonia (1990)

Dentre muitos outros.

Lucio faleceu em 13 de março de 1996 (68 anos) em Roma, Itália.

Curiosidades do filme “O Exorcista”

Bom, como o último post foi sobre um dos meus livros preferidos, “O Exorcista”, quis fazer um post também sobre o filme; mas não falando sobre o filme, pois muitos, até mesmo os que não curtem terror, sabem sobre o que se trata. Quis mesmo é falar algumas curiosidades sobre o filme, coisas que aconteceram nos bastidores e até umas lendas que correm sobre o filme.

Enfim, o filme é de 1973, do diretor William Friedkin, baseado no livro com mesmo nome de William Peter Blatty.

Vamos começar pelo mais leve (rs), os prêmios ganhos e/ou indicações:

Ganhou os Oscars de melhor roteiro e melhor som. Foi ainda indicado para mais oito categorias: melhor filme, melhor diretor, melhor atriz (Ellen Burstyn), melhor ator coadjuvante (Jason Miller), melhor atriz coadjuvante (Linda Blair), melhor edição, melhor fotografia e melhor direção de arte.

Ganhou quatro Globos de Ouro nas categorias de melhor filme (drama), melhor direção, melhor roteiro e melhor atriz coadjuvante (Linda Blair). Recebeu ainda outras três indicações: melhor atriz – drama (Ellen Burstyn), melhor ator coadjuvante (Max von Sydow) e melhor revelação feminina (Linda Blair).

Foi indicado ao BAFTA na categoria de melhor som.

Ganhou, também, o Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films, nas categorias de melhor filme de terror, melhor maquiagem, melhores efeitos especiais e melhor roteiro.

Curiosidades e fatos sobre o filme:

Foi o primeiro filme de terror indicado ao Oscar de melhor filme. O prêmio para um filme do gênero só veio em 1991, em “O Silêncio dos Inocentes”, com Jodie Foster e Anthony Hopkins.

O filme tornou-se um dos mais lucrativos filmes de terror de todos os tempos, arrecadando o equivalente a U$ 441.306.145,00 em todo o mundo.

Após a sessão, ninguém conseguia dormir, lembrando da voz gutural do pequeno demo gritando blasfêmias e outras cenas horrendas das gravações.

Durante a produção do filme, o set de filmagens pegou fogo durante um fim de semana, em que não havia ninguém trabalhando. Muitos equipamentos foram estragados. Não se chegou a qualquer explicação sobre o que gerou o fogo.

O processo de gravação até logo depois do lançamento do filme foi marcado por várias mortes de pessoas ligadas direta e indiretamente com as filmagens, caso do ator Jack Macgowran, que depois de gravar a cena em que morria arremessado da janela por Regan, contraiu uma forte pneumonia e acabou morrendo, de verdade, uma semana depois. Também morreram o irmão do ator Max Von Sydon, um vigia do estúdio e um assistente de produção.

Durante o filme é possível ver vultos, olhos debaixo da cama de Regan, silhuetas demoníacas e mensagens de socorro bem disfarçadas. Muitos gostam de assistir o filme várias vezes para encontrá-las.*

Para deixar as cenas com uma atmosfera aterrorizante, o diretor William Friedkin optou por construir os cenários dentro de uma enorme câmara refrigeradora. Não é à toa que quase todos os atores ficaram com pneumonia.

Oito horas é o que Linda Blair levava para ter seu rostinho bonito transformado no de um verdadeiro filhote do Belzebu. A maquiagem assustadora tinha até massa de pizza em sua composição.

Os gemidos aterrorizantes da garotinha possuída foram captados em uma fazenda. Eram porcos e vacas sendo levados para o abate.

Linda Blair nunca falou sequer um palavrão durante as filmagens de ‘O Exorcista’. Ela dizia outros textos bobinhos enquanto a dubladora Mercedes McCambridge era responsável pelos textos pesados. Aliás, Mercedes MacCambridge precisou fumar cerca de seis maços de cigarro por dia, além de entrar numa dieta só com ovos crus e maçãs defumadas para Imagemconseguir a tal voz assustadora do Diabo.

Pouca gente se lembra, mas em 1990 rolou uma sátira do filme, chamado “A Repossuída”; que conta a história de Nancy Aglet, interpretada por ninguém menos do que a própria “ex-possuída”, Linda Blair. O padre fica por conta do mestre Leslie Nielsen. O filme foi muito esperado pela crítica e pelos fãs da atriz, mas não decolou, o que não quer dizer que não seja uma comédia legal de assistir. Tem até ele completo no Youtube – 

O primeiro trailer de ‘O Exorcista’ foi considerado tão assustador que teve que ser retirado dos cinemas.

*Agora o jeito é assistir o filme pela milésima vez pra notar os vultos, olhos debaixo da cama e pedidos de socorro. Bora assistir?

Livro – “O Exorcista”

Bom, como comentei em outro post, pode ser que eu não consiga ler um livro por mês, pois os livros precisam de mais tempo e dedicação, e com uma bebê pra cuidar (e agora gripada), fica ainda mais complicado.

Já que não consegui terminar ainda o livro desse mês, vou falar sobre um dos meus livros preferidos, que é mais conhecido pelo filme. Inclusive, muitas pessoas, principalmente aquelas que não gostam do terror, nem sabem que o filme foi inspirado no livro.

O livro, de 348 páginas que entra não no gênero terror, e sim no policial, foi escrito em 1971 pelo autor estadunidense William Peter Blatty da editora Harper & Row. 

Lançado no Brasil um ano depois, o livro conta a história de Regan MacNeil, uma garota de 11 anos que foi possuída pelo demônio.

Regan vive num sobrado de esquina com sua mãe, Chris MacNeil, uma atriz de cinema. Por conta de alguns acontecimento estranhos com a filha, Chris passa a levá-la em vários médicos, fazem inúmeros exames, todos mostrando que não há nada de errado com Regan. Até que, mesmo sem muita fé, Chris decide procurar ajuda religiosa.

Bom, até aí todo mundo, ou quase todo mundo conhece, pois é o que nos mostra o filme, porém, como sempre, o livro é muito melhor. A obra não se posiciona apenas no exorcismo de Regan, mas também na investigação do Detetive Kinderman sobre a morte de Burke Dennings, um diretor de cinema, amigo de Chris, que é encontrado misteriosamente morto, com a cabeça virada ao contrário, jogado na escadaria abaixo da janela do quarto de Regan. (Essa investigação quase não é relatada no filme).

O livro também narra a quase falta de fé do padre Karras, o qual Chris busca ajuda. Além de padre, Karras é psiquiatra, o que soa um tanto quanto contraditório. Porém, ao longo do livro, percebe-se que Karras é quase tão cético quanto um ateu; e percebemos sua luta para tentar continuar com sua fé.

A obra se divide deliciosamente entre a investigação policial e os estágios de preparação para o exorcismo, que é narrado detalhadamente, palavra por palavra (mesmo as ditas em latim). Os medrosos de plantão, recomendo distância.

Diz-se que o livro é baseado na real história de Ronald, um garoto que foi possuído aos 13  anos, na cidade de Mount Rainier, Maryland, nos anos 40. Vários periódicos locais conseguiram o discurso de um padre que fazia parte de uma sociedade de parapsicologia, que afirmava ter feito um exorcismo em um garota daquela região. Porém, um outro repórter, Mark Opsasnick, foi a fundo em 1999m e dentre suas investigações conseguiu uma entrevista com o padre Walter Halloran, que dizia ter auxiliado no exorcismo, e afirmou : “…não houve xenoglossia (ou algo imitando o latim), não houve alteração na voz, sem força prodigiosa, sem vômitos ou urinação…”; o que levou Walter a concluir que, na realidade, o garoto Ronald, nunca esteve sob possessão demoníaca. Seu artigo detalhado do caso, serviu de base para um romance intitulado “The Haunted Boy of Cottage City: the Facts Behind the Story that Inspired the Exorcist (O menino assombrado de Cottage City: os fatos por trás da história que inspirou “O Exorcista”, em livre tradução).

Em 1973, o livro virou o filme que todos conhecem, e que, neste dia 19 completou seus 40 anos, com a direção de William Friedkin; o qual teve três sequências: O Exorcista II – O Herege; O Exorcista III; e O Exorcista – O Início. 

Curiosidades:

O enorme sucesso do livro, aqui no Brasil, fez com que o lucro obtido pudesse patrocinar o lançamento da primeira edição do Dicionário Aurélio.

O livro (em versão traduzida em espanhol, obviamente) ficou em oitavo lugar na lista dos dez mais vendidos na Espanha, no ano de 1975.

Outros trabalhos de William Peter Blatty

Como autor: 

-Legião (1983)

-Dimiter (2001)

-Elsewhere (2010)

Como diretor:

-The Ninth Configuration (1980)

-O Exorcista III (1990)

Como ator:

-O Exorcista (1973)

-The Ninth Configuration (1980)

Como roteirista:

-Um Tiro No Escuro (1964)

-Lili, Minha Adorável Espiã (1970)

-O Exorcista (1973)

-O Exorcista II – O Herege (1977)

-The Ninth Configuration (1980)

-O Exorcista III (1990)

-O Exorcista – O Ínicio (2004)

Como produtor:

-O Exorcista (1973)

-The Ninth Configuration (1980)

Livro do mês – “Sangue e gelo”

O livro desse mês é o “Sangue e gelo” (2009) de Robert Masello.

Esse livro é um dos mais especiais pra mim, pois foi o primeiro presente que dei pra minha mãe com meu próprio dinheiro (isso foi só aos 21 anos hehe). Para os que assim como eu, são amantes do suspense e do terror, vão adorar. Comi o livro, li as quase 500 páginas em 2 semanas.

Imagem

A ficção narra a ida de um fotógrafo que, em meio a uma crise em sua vida pessoal, aceita trabalhar no Pólo Sul por um tempo, pensando que apenas fotografará criaturas e animais exóticos. Porém, um dia, convidado pelo colega da estação Point Adelle, um biólogo marinho, para mergulhar no gélido mar do ártico, encontra, para seu espanto e terror, dois corpos, vestidos de roupas vitorianas, congelados!

O livro vai e volta, entre o presente, na Antártica e o passado, na Inglaterra de 1856; ou seja, conta tanto a história de Michael, o fotojornalista, quanto a de Eleanor e Sinclair.

A história consegue prender do início ao fim; mantém o suspense num nível bem gostoso de acompanhar, não entrega o jogo de cara, mas também não enrola o leitor; sem contar que a escrita é bem jovem, conta de maneira cotidiana, com detalhes na medida exata. Eu senti um frio na espinha em alguns momentos, me apaixonei junto dos personagens, e quando a Guerra da Criméia é narrada, senti as dores e agonias dos soldados; parecia de fato que eu estava assistindo a um filme, a um ótimo filme! O livro mistura o sobrenatural, romance e história, por isso, muito provavelmente agrada gregos e troianos, tem um pouquinho de cada um dos gêneros.

Ficha técnica:

Título original: Blood and Ice

Ano: 2009

Autor: Robert Masello

Gênero: Ficção

Número de páginas: 448

Editora: Suma de letras

Preço: Em torno de R$50. Cabe no bolso da maioria.

Outras obras de Robert Masello:

O amuleto de Medusa (2012)